Fórum Social faz balanço de 15 anos e debate futuro em Porto Alegre

Por Marco Weissheimer, SUL 21

Após 15 anos de vida, de idas e vindas por vários continentes, o Fórum Social Mundial faz novamente de Porto Alegre um território para debater o estado das coisas no mundo. Mesmo sendo um Fórum Social Temático, preparatório ao evento mundial que ocorrerá em Montreal, de 9 a 14 de agosto deste ano, o simples fato de ocorrer em Porto Alegre, berço de todo o processo FSM, faz do encontro que começa oficialmente nesta terça-feira (19) uma oportunidade para refletir sobre a trajetória do movimento altermundista e sobre as suas perspectivas de futuro. O Fórum Social Porto Alegre começa com uma marcha que partirá do Largo Glênio Peres, ao lado do Mercado Público, e seguirá pela avenida Borges de Medeiros até o Largo Zumbi dos Palmares. A concentração inicia às 15 horas, mas a marcha partirá por volta das 18h, quando o calor que assola Porto Alegre nesta época do ano já é menor.

Como em outros fóruns, o encontro que inicia nesta terça em Porto Alegre tem em uma ampla e diversificada agenda de debates. Mas há um fio condutor que percorre toda a programação do Fórum: o balanço destes 15 anos e os desafios para o futuro. Em uma entrevista coletiva realizada na tarde desta segunda-feira no auditório Dante Barone, da Assembleia Legislativa gaúcha, integrantes do comitê organizador local do evento apresentaram um resumo da programação que deve se estender até o próximo domingo na capital gaúcha. Mauri Cruz, integrante do Comitê de Apoio Local do Fórum Social Mundial Porto Alegre, destacou que mais de 470 atividades autogestionadas estão programadas para ocorrer até sexta-feira, além das mesas de convergência que reunirão os diferentes movimentos sociais que participam do processo FSM. Além destas, há dezenas de atividades paralelas associadas à programação do Fórum.

As principais atividades ocorrerão no Parque da Redenção, no Auditório Araújo Vianna, no Largo Zumbi dos Palmares, na Câmara de Vereadores de Porto Alegre e na Assembleia Legislativa. O Acampamento da Juventude, no Parque da Harmonia, também será palco de vários debates e atividades culturais. Para quem estiver interessado no debate sobre a conjuntura internacional e sobre o balanço de 15 anos do Fórum Social Mundial, as principais atividades serão as mesas de convergência programadas para os dias 20, 21 e 22, sempre na parte da tarde (veja aqui a programação completa). No sábado pela manhã, a partir das 10 horas, será realizada a assembleia dos movimentos sociais. No final de semana, também deverá ocorrer uma reunião do Conselho Internacional do FSM.

fsm 16

Uma tenda com a memória viva dos 15 anos do Fórum Social Mundial será instalada na entrada do Auditório Araújo Viana, com um acervo de imagens, vídeos e materiais diversos relacionados às diversas edições do FSM realizadas pelo mundo. As inscrições para participar das atividades do FSM Porto Alegre podem ser feitas pelo site do evento, a um preço de R$ 20,00. As inscrições também poderão ser feitas na hora, durante o evento. As inscrições de atividades terminam no próximo domingo, dia 10 de janeiro.

“O que se dizia em 2001 virou realidade”

Na avaliação de Mauri Cruz, o debate de balanço sobre o presente e o futuro do Fórum guarda relação com o diagnóstico sobre a situação mundial feito há 15 anos, por ocasião do nascimento do Fórum. “O que se dizia em 2001 acerca de múltiplas crises que estavam no horizonte virou realidade. Vivemos hoje, em escala mundial, uma confluência de crises de caráter social, político, econômico e ambiental”, assinala. O Fórum Social Porto Alegre pretende atualizar esse debate e terá a presença de representantes de povos que vivem em regiões onde essa crise é mais dramática e mortal, como os curdos e alguns palestinos que conseguiram furar o bloqueio imposto por Israel nos territórios ocupados.

Jussara Cony, vereadora do PCdoB em Porto Alegre, destacou uma das novidades deste Fórum, que é um protagonismo inédito das mulheres. “Nós conquistamos a paridade em todas as atividades do Fórum, algo que é inédito e fruto da luta das mulheres nestes últimos anos. A Primavera das Mulheres estará presente no Fórum de Porto Alegre”. Para Jussara Cony, outro eixo central dos debates que ocorrerão esta semana está relacionado à atual ordem política internacional. “Um dos nossos desafios é construir neste fórum uma grande unidade da luta anti-imperialista, aprofundando o internacionalismo entre os povos em luta”, afirmou a vereadora.

fsm16

Mauri Cruz e Jussara Cony destacaram ainda que o evento deste ano em Porto Alegre deverá ter uma importante mudança no perfil dos protagonistas. Enquanto em 2001 e nos anos seguintes houve uma presença muito forte de intelectuais europeus e lideranças sindicais em sua maioria brancos e do gênero masculino, agora, em 2016, deve predominar uma diversidade maior, com a presença de muitos representantes do movimento negro, de comunidades indígenas, da Marcha Mundial de Mulheres, movimentos ambientalistas e de juventude de periferia. Os integrantes do comitê organizador não apontam nenhum antagonismo nesta diferença de perfil, mas uma mudança diretamente relacionada ao que ocorreu nos últimos 15 anos e que pode indicar também possíveis caminhos futuros para o movimento que quer construir outro padrão de globalização no mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*