FÓRUM SOCIAL TEMÁTICO 2014: Um primeiro balanço

Por Mauri Cruz –

O principal objetivo do Fórum Social Temático 2014, Crise Capitalista, Democracia, Justiça Social e Ambiental era manter viva e acessa a agenda anti-Davos gritando ao mundo de forma clara que somos contra o modelo capitalista vigente que financia guerras, gera milhões de refugiados, miséria, fome, desigualdade e caos ambiental penalizando principalmente as crianças, os jovens, as mulheres, os negros e os trabalhadores e trabalhadoras de todos os continentes. Ao reunir mais de 5 mil militantes sociais em Porto Alegre durante quatro dias, com 17 atividades de convergência reunindo cerca de 300 convidados internacionais e nacionais de 40 países e com uma Marcha que mobilizou milhares de pessoas, podemos afirmar que este objetivo foi atingido. Porto Alegre, se mantém como um território anti-Davos e tudo o que o Fórum Econômico Mundial representa. Aqui se reúnem aqueles que continuam acreditando e fazendo um outro mundo possível.

A diversidade do Fórum Social continuou expressa e viva em Porto Alegre. Houve mais de 300 atividades autogestionárias ligadas as temáticas da educação formal, a educação popular, das lutas LGBT, denunciando a violência contra a juventude negra da periferia brasileira que ocorreu no Espaço Ubuntu, das causas das mulheres no mundo através da mobilizações da Marcha Mundial de Mulheres e da União Brasileira de Mulheres, da crise urbana a violação dos direitos humanos resultado do modelo neo-desenvolvimentista no país que está vitimando milhares de famílias pela falta de planejamento urbano, as questões da demarcação dos territórios indígenas e quilombolas, as questões da cultura como direito humano e os temas ligados à democratização dos meios de comunicação expressos no Fórum Mundial de Mídia Livre.

Estiveram presentes também os debates da agenda ambiental internacional contra as usinas nucleares e suas consequências trágicas para as próximas gerações e encontros preparatórios à COP 20 que ocorrerá em Lima em 2014, bem como, as discussões referentes ao trabalho decente e a manutenção dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras no Brasil e no mundo e a avaliação das políticas públicas como forma de transformação social e empoderamento da cidadania.

O FSTemático2014 de Porto Alegre também tinha como objetivo rearticular os movimentos e organizações sociais brasileiras que foram fundamentais para a redemocratização do Brasil nos últimos 20 anos. A intenção foi recolocar a necessidade destes movimentos retomarem a agenda do FSM que tem sido centrada, no último período, no norte da África em função das mobilizações da Primavera Árabe. Este objetivo também foi alcançado com a realização de uma reunião representativa de todas as redes e movimentos sociais brasileiros presentes em Porto Alegre e o acordo da realização de uma grande atividade conjunta em março próximo na cidade de São Paulo para a reconstrução de um Comitê Brasileiro. Esta será uma primeira reunião ampla para rearticular todos e todas que se identificam com a Carta de Princípios do FSM e que abrirá um calendário de outras reuniões similares nas demais regiões do país preparando a atuação brasileira no contexto nacional, latino-americano e mundial.

Além disto, o Fórum pretendia criar um canal de diálogo por dentro dos processos do FSM com lideranças dos movimentos sociais de junho no Brasil. Vários destes movimentos nasceram dentro da dinâmica do FSM, mas com o tempo se afastaram por não identificar na metodologia do Fórum Social um espaços adequado para atuação e expressão de suas pautas e propostas. Este objetivo foi atingido parcialmente. Algumas lideranças nacionais e locais destas mobilizações estiveram em Porto Alegre reunindo no Acampamento da Juventude, na Tenda Hip-Hop Social, no Conexões Globais e nas mesas de Convergência, mas a articulação desejada foi tímida e não representou o avanço desejado que era criar um canal de diálogo sistemático.

Uma grande novidade já experimentada no Fórum Temático passado foi a interatividade do processo do Fórum Social via as redes sociais. Só no site oficial – www.forumsocialportoalegre.org.br – houve mais de 27 mil acessos, sem contar com os acessos às páginas do face das redes e movimentos que realizaram atividades e do conexões globais que, em apenas um debate com representantes do Massa Crítica, do Bloco de Lutas e do Comitê Popular da Alegria tinha mais de 12 mil pessoas conectadas. Assim, a repercussão do evento foi e está sendo bem além dos participantes presentes na cidade. Neste sentido, pego emprestada a fala de Sérgio, sindicalista italiano que compõe o Conselho Internacional desde 2001 quando diz que, novamente em Porto Alegre, o conteúdo dos debates demonstram que o espírito do Fórum Social Mundial continua vivo e forte e que o Brasil tem muito a contribuir com sua experiência, acertos e erros, para os processos latino-americanos, africanos e asiáticos que estão ocorrendo neste momento no mundo.

Temos consciência que o próximo período é bastante desafiante. Mas o processo Fórum Social continua vivo, seja em seus trinta e sete eventos sociais mundiais que estarão se realizando em 2014 em todo o mundo, seja no confirmado Fórum Social Mundial da Tunísia em março de 2015. Aliás, como disse Alla Talbi do Comitê Organizador Tunisiano, será um FSM diferente de 2013 porque estará sob uma nova constituição recém aprovada pelo novo parlamento e pós eleições gerais na Tunísia. Assim acredito que o Fórum Social Porto Alegre novamente cumpriu seu papel neste recente processo de articulação internacional que se iniciou em 2001 e segue sendo construído por centenas de pessoas pelo mundo. Recente, porque 13 anos para articular milhares de redes internacionais com culturas e dinâmicas tão distintas numa conjuntura tão adversa é pouco tempo. Tenhamos presentes a urgência das nossas causas e a paciência histórica para construir o outro mundo possível a partir do protagonismo de tod@s.

Mauri Cruz é advogado socioambiental, especialistas em direitos humanos, dirigente nacional da ABONG – Associação Brasileira de ONGS e membro do Comitê de Apoio Local ao FSM.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*